O homem e a natureza

O homem e a natureza
pag.39
Soromenho-Marques – (…) O que está em causa não é uma relação de contemplação com a natureza que, até há 200 anos, era considerada inexaurivel, infinita. Que ficaria cá depois de nós passarmos. O que é relevante, quer nas ciências ecológicas quer nas práticas sociais, políticas e ideológicas orientadas pela temática ecologista ou ambientalista é, justamente, o problema da interacção entre o homem e o ambiente. Antropocentrismo? Sim e inequivocamente assumido.

pag.48
Soromenho-Marques – (…) Mas há um segundo sentido, mais humilde, segundo o qual a ideologia resulta da necessidade de dar sentido mesmo ao que não sabemos ainda ou ao que desconhecemos completamente, pela simples razão de que temos que nos orientar. A ideologia será, então, um discurso de orientação.

pag.56
Nunes Correia – (…) Costuma dizer-se, por exemplo, que alterações climáticas sempre as houve e que a sociedade a elas se deve adaptar. Ora, mais do que a própria alteração climática, o que me preocupa é ela ter sido causada pelo homem. Há, aqui, uma interfer~encia na ordem natural das coisas, a uma escala de tal modo global, de tal modo macroscópica, que nos coloca perante os limites da nossa interacção com a natureza.

pag.129
A fronteira que define a legitimidade das intervenções humanas sobre a natureza pode procurar-se tentando conciliar razão e sentimento. É nesta linha que Luc Ferry vê a possibilidade de ultrapassar a seca e dura consideração dos interesses sem cair nos extremos do ecologismo radical.
Há coincidências notáveis entre o que a natureza nos oferece e os padrões de beleza, de harmonia, de diversidade, que seduzem a alma humana, de onde quer que venhas esses padrões. É numa atitude humilde de procura de compromisso entre o que interessa ao homem e o que parece “interessar” à natureza que deve tomar decisões quem échamado a modificar o meio natural para o adaptar às conveniências das comunidade humanas.

in, Ecologia e Ideologia
Domingos Moura, Francisco Ferreira, Francisco Nunes Correia, Gonçalo Ribeiro Telles, Viriato Soromenho-Marques
Livros e Leituras, 1999

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *