Notas para um passeio transmontano 2/6

De viagem até Miranda do Douro
Em Argozelo, 11 km a N, há para ver o castro do cerro Grande, o castro da Terronha, as inscrições romanas no promontório da Tera do Castelo e a Capela de São Bartolomeu.
Caçarelhos, 12 km a E, possui um magnífico cruzeiro (século XVIII), a capela de Santo Cristeo em estilo joanino e as quatro grutas de mármore de Santo Adrião descobertas em 1852 e 1866; o jazigo, com mais de 6 km de comprimento no sentido NE-SO, contém mármores e alabastros de incontestável beleza.
Senhora da Luz, início da fronteira terrestre com Espanha. É o ponto mais alto do planalto mirandês, palco de uma das mais curiosas romarias transmontanas. No último domingo de Abril, portugueses e espanhois fazem da festa uma feira franca, para desespero das polícias. Acabada a romaria, a Senhora da Luz é um local ermo, com uma vista como talvez só o castelo de Algoso é capaz de oferecer. Um homem, isolado, passa ali os dias. Está só porque os portugueses não têm ninguém para vigiar fogos. Porque os polícias já se foram embora. Porque, afinal já não há fronteiras.
Paradela, aldeia pequena e vazia por onde entra o Douro em Portugal. É o extremo leste do país. Um pequeno percurso a pé leva á barragem.