Continuando com a participação em conferências na Europa que a Samsys me está a proporcionais, depois da Microsoft Ignite em janeiro, Ecommerce Berlin em fevereiro e da Deliver Conf em março, estive em Haia para a conferência Meet Magento 2019 NL.

Pode parecer contraditório ou até pouco interessante no que diz respeito ao retorno do investimento participar numa conferência sobre uma plataforma (Magento) que não utilizamos diariamente, mas a verdade é que para além de termos alguns clientes que usam essa plataforma e que a integram com ERPs com que trabalhamos, por exemplo usando o nosso Driver PHC Magento, sabemos que o Magento é uma plataforma relevante, e pelo facto de ter estado sempre focada em comércio eletrónico, em alguns pontos, a sua comunidade e o próprio produto poderão proporcionar ensinamentos valiosos para quem utiliza neste tipo de soluções a combinação WordPress com WooCommerce.

Tendências no Comércio Eletrónico

Neste momento está a fazer cerca de um ano desde que a Adobe trouxe o Magento para dentro da sua linha de produtos e isso foi referido logo na primeira sessão, onde se falou das grandes tendências a nível do comércio eletrónico mundial.

Uma dessas tendências é a crescente importância dos marketplaces, que vão representar cerca de 40% de todas as transações já em 2020, bem como a importância que os utilizadores dão a personalização da experiência de compra.

Também foi destacada a crescente ligação entre o online e offline, seja a nível de integração de dados, seja a nível de começar a experiência de compra num meio e depois conclui-la noutro

E não poderiam deixar de faltar até às buzzwords do momento como a pesquisa por voz ou a utilização de inteligência artificial e machine learning em todo este processo.

Para além disso também enquadrou a aquisição deste produto por parte da Adobe no sentido de conseguir ter uma oferta de produtos que permitisse ir desde a ideação ou prototipagem, desenho da solução, neste caso do design de uma solução de comércio eletrónico, até ao próprio website.

Foi curioso perceber que também ao nível do produto é dada cada vez mais importância aos conteúdos relacionados com o produto, para além da típica página de produto, através da criação de landing-pages e outras páginas com conteúdo personalizado e que isso se refletiu no desenvolvimento de um page builder para Magento. Interessante esta abordagem do page builder até porque é algo que está muito na atualidade da comunidade WordPress com o projeto Gutenberg bem como outros projetos como o Beaver Builder ou Elementor.

Magento PWA Studio

Outro tema bastante falado foi o do Magento PWA Studio, uma plataforma para construir aplicações móveis baseadas em Magento. Pelo que percebi para já ainda é uma prova de conceito (embora lançada há mais de um ano) e também aqui, há semelhança da comunidade WordPress percebe-se que em alguns casos quem lidera (de forma mais formal ou informal) o processo nem sempre consegue partilhar com o resto da comunidade qual é o caminho.

Neste caso parecem estar um pouco indefinidas principalmente a questão das datas em que novas versões do PWA Studio irão sair, e principalmente algumas abordagens técnicas que irão ser seguidas (por exemplo Reactive ou Vue). Ao mesmo tempo outras pessoas da comunidade vão procurando fazer o seu caminho já que também nesta comunidade se percebe que o mobile e principalmente o ter uma aplicação mobile associada a uma loja online é algo cada vez mais relevante.

No evento havia algumas sessões não técnicas, por exemplo sobre marketing, entre outros, mas nesses casos quase sempre em holandês pelo que me mantive pela sessões técnicas.

Ainda assim numa sessão menos técnica apresentada pela BOL.com, “Platformization: new collaborations in Retail” de Nick Enthoven, falou-se de como os marketplaces são uma tendência em crescimento e como podem chegar a diferentes segmentos, nomeadamente às famílias jovens (casal e um ou dois filhos) que não querem chegar a casa depois do trabalho e ainda ter que tratar da comida ou outra tarefa diária e que por isso são utilizadores frequentes desse tipo de produto online; mas também dos seniores que muitas vezes têm dificuldade em conseguir transportar as suas compras para casa; e claro dos chamados milenials que têm uma relação já nativa com tudo o que é digital.

As entranhas do Magento

Voltando às sessões técnicas falou-se muito da versão 2.3 que parece estar a ser um marco na comunidade e vista como uma versão de referência tal como foi a versão 1.4.
Vestindo ainda a minha camisola de developer é interessante ver como conceitos standard desta área do desenvolvimento de software estão a ser usados, seja “dependency injetion” ,”plugins”, “observables”, “repositories”, etc. Conceitos que nós utilizamos internamente também nos nossos desenvolvimentos e que vão aparecendo também na comunidade WordPress.
Acho que só não falaram de View Models, mas a criação de elementos para UI também parece bastante sistematizada.

Tudo isto referido em várias sessões, nomeadamente na mais técnica de todas as que assisti sobre o futuro que se pretende para o Magento com o titulo sugestivo de “A long way from Monolit to Service Isolated Architecture” de Igor Miniailo. Uma apresentação que quase que precisava de uma tarde inteira para se conseguir transmitir corretamente tudo o que se pretende fazer.

Numa nota mais específica sobre a arquitetura do Magento, e mais relacionada com o domínio de atuação deste software (lojas online) é interessante perceber que de raiz já vem incorporado o conceito de Multi Source Inventory algo que é muito importante para alguns vendedores.

Duas sessões que se destacaram foram a “So you want to develop with Magento“, com David Manners e a “Half a rush hour of Magento 2” com Fabian Blechschmidt , ambas sobre as “entranhas” do Magento, uma mais na vertente da introdução (instalação e afins) e outra numa perspetiva mais de apresentação geral da plataforma. Muito interessante para quem, como eu, não trabalha diariamente com a plataforma, mas também muito divertida pela forma dinâmica como foi feita.

Qualidade de Software

Ainda na perspetiva de aprender coisas novas e até aplicá-las no nosso dia a dia, a apresentação “Tools to improve the quality of your Magento project” de Stephan Hochdorfer, foi muito interessante, já que focou um conjunto de ferramentas, não específicas do Magento, e que permitem melhorar a qualidade do processo de desenvolvimento de software em geral e de desenvolvimento em PHP em particular. Registei para explorar futuramente o Captain Hook (para ajudar a configurar hooks git), PHPStan para validar o código PHP desenvolvido bem com o conceito de Mutation Testing, que podemos aplicar também ao desenvolvimento em .Net que também fazemos.

Todas estas sessões foram realizadas no Louwman Museum, um espaço muito simpático e à medida da comunidade. No espaço comum havia cerca de meia-duzia de empresas, desde o Paypal (que está promover uma relação forte com o Magento), a empresas de hosting e desenvolvimento à medida para Magento.
Também encontramos algumas empresas mais direcionadas para marketing digital e que disponibilizam plataformas multi-canal que agregam toda essa informação sobre um cliente permitindo depois acompanhar num dashboard diferentes indicadores gerais e individuais da performance do website.

O dia acabou em beleza com a ultima apresentação, de Slava Kravchuck, sobre a sua aventura em África, uma descrição animada e emotiva do seu percurso da Ucrânia até África do Sul. Um apelo a que persigamos os nossos sonhos e valorizemos aquilo que de mais há importante há na vida, a alegria, a simplicidade… as pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *