Na Acção em Defesa do Jardim do Palácio este Sábado

No Palácio de Cristal
Na acção de hoje à tarde organizada pelo Movimento de Defesa dos Jardins do Palácio estiveram presentes, para além dos diferentes participantes do movimento, Elisa Ferreira e João Teixeira Lopes, não tendo podido estar presente Rui Sá. Depois de uma breve explicação do entendimento que o Movimento faz do projecto apresentado (e que pode ser consultado também no site da Campo Aberto) em que, pelo que percebi pessoalmente, fica um pouco no ar a ideia de que os documentos apresentados não são suficientemente explícitos em relação ao verdadeiro impacto a nível do património natural existente, os diferentes candidatos deram uma breve indicação da sua opinião.

Elisa Ferreira focou essencialmente (na minha opinião) a questão da falta de discussão pública e a forma como foi apresentado o projecto, numa altura de pré-campanha. Não acredito (e é só a minha opinião naturalmente) que tenha uma posição tão vincada como alguns membros do movimento que acham simplesmente que não deveria haver nenhum tipo de construção.

João Teixeira Lopes referiu também a forma como todo este processo se tem desenrolado e apontou algumas dúvidas que têm surgido, por um lado Rui Rio no debate na Fundação SPES a referir algo como no máximo duas árvores seriam cortadas, por outro lado o Movimento de Defesa dos Jardins do Palácio que depois de analisar os documentos do projecto aponta para quase 20 árvores afectadas. Finalmente questiona a própria ideia de concessão, referindo que o Pavilhão Rosa Mota deveria ser um edifício de uso público.

No fim foram colocadas algumas faixas em volta das árvores que se considera que vão ser afectadas.

por Vitor Silva



Leave a Reply