edu

Nível Macro

  • Documentar o Estado da Arte do ensino em Portugal
  • Boas práticas do ensino no estrangeiro – Finlândia, KIPP Schools, etc
  • Boas práticas do ensino em Portugal – caso da escola da Ponte, etc
  • Recomendações bem documentadas do que precisa de ser feito JÁ
  • Recomendações do que tem de ser feito a longo-prazo

Nível Micro

  • O que podemos nós, enquanto cidadãos, fazer?
  • Desenhar projectos
  • Testar em escolas piloto
  • Documentar boas práticas e resultados
  • Alargar a nossa margem de manobra

mais algumas notas, talvez mais pessoais mas que podem ajudar na reflexao

o dominio da educação parece-me uma coisa tão grande que quase nem consigo perceber de que forma o posso trabalhar.
os itens referidos a nivel macro e micro são todos pertinentes mas se calhar enquadrava-os numa outra perspectiva…
claro que conhecer boas práticas nacionais e internacionais é importante, definir recomendações pode ser interessante numa perspectiva sistematizadora de quais foram as boas praticas detectadas mas já não me parece tão fundamental… elas decorrem naturalmente das boas práticas… se quem as pode replicar conhecer essas boas práticas não precisam das recomendações.
até porque me parece que esse tipo de documento surge como um fim quando o que me parece importante é o processo de mudança para algo diferente.
se as coisas mudassem só com recomendações o mundo não tinha pq ser como é…

de referir que entre todos os pontos de ataque que podemos ter em relação a estes temas eu gostava essencialmente de explorar a ligação com as comunidades.
a escola não como coisa fechada onde crianças e jovens estão ou onde professores e administrativos trabalham mas como um potencial hub da comunidade local servindo de ponto de encontro/ligação => networking?

eu propunha uma coisa mais de guerrilha 🙂
a partir de uma ideia comum, fundamentado num conhecimento comum (as tais boas práticas, etc.) e pegando na ideia do voltar à escola, porque não cada um de nós seleccionar uma escola e estabelecer uma relação com ela? perceber como funciona – administrativamente, na relação com os professores, na relação com a comunidade, na relação com as outras escolas;
criar e manter essa relação durante algum tempo para depois conseguirmos (ou tentarmos) introduzir os conceitos e boas práticas que formos detectando.

por Vitor Silva



One Comment

  1. Vitor:

    Não sei se é relevante, mas este relatório/levantamento recente talvez seja útil como referência sobre “boas práticas digitais”:

    Recursos Educativos Digitais – estudo estratégico (GEPE, Out. 2010)
    http://lerebooks.wordpress.com/2011/10/06/recursos-educativos-digitais-estudo-estrategico/
    (Ler ebooks, 2011.10.06)

    Um abraço,
    Ricardo

    Iniciativa “Sobre Literacia Digital”

Leave a Reply