Já Tá. oMeuPrimeiroPodcast

Depois de muito falar sobre podcasts e depois de ter já há bastante tempo este projecto de fazer um podcast na cabeça, finalmente no dia 8-Jan gravei o meu primeiro podcast. Aliás até nem foi bem gravar, foi mais dirigir uma conversa porque a gravação foi assegurada por outra pessoa. Não fosse isso e provavelmente ainda não tinha passado esta ideia de projecto para concreto.

O podcast chama-se “O Porto em Conversa” e é um podcast sobre o Porto cidade / região.
Como escrevi no blog associado a esse podcast, a ideia é parecida com o blog “Baixa do Porto” no sentido de criar um espaço para as pessoas exporem os seus pensamentos sobre a cidade / região mas aproveitando o facto de ser uma conversa entre 2 pessoas para poder explorar um pouco mais algumas ideias que por vezes não surgem por escrito.

Enquanto não fica online o primeiro programa que foi gravado nos estúdios da Bit_Radio com o apoio do João Cordeiro, queria deixar aqui algumas notas de como correu e algumas ideias com que fiquei sobre o processo propriamente dito.

Em primeiro lugar percebi que é dificil conduzir uma conversa e ir pensando ao mesmo tempo qual vai ser o passo a seguir tendo em conta aquilo que a pessoa que está à nossa frente vai dizendo.

Depois há também aquele sentimento de que não devemos usar exactamente as mesmas palavras que usamos no dia-a-dia, ou seja aquela forma despreocupada com que normalmente falamos, sem grandes preocupações na concordância dos verbos ou se estamos a formular correctamente uma frase ou sequer se precisamos de dizer tudo porque temos a linguagem corporal a ajudar.

Esta foi sem dúvida a minha maior dificuldade, tive a vantagem de estar a falar com uma pessoa que por um lado já tem alguma experiência nestas coisas (digo eu) e claro o facto de estar a falar acerca de temas sobre os quais já tinha pensado. Para além disso, a publicação do guião da entrevista servia também para naqueles momentos em que eu estava meio engasgado a tentar procurar qual a frase correcta para dizer aquilo que estava a pensar que o Tiago me pudesse ajudar começando logo a responder já que tinha mais ou menos ideia do caminho por onde eu queria ir.

Outro ponto em que estou meio em dúvida tem a ver com a duração do programa. Este primeiro programa tem cerca de 55 minutos. Fiquei assim mais perto do limite superior do que do inferior tendo em conta o tempo que estava a apontar entre 40m e 1h.
Eu como consumidor tenho ideia que uma hora é capaz de ser demais. Não é muito fácil encontrar blocos de uma hora contínua em que possa ficar só a ouvir rádio ou mesmo em paralelo com outra tarefa. Parece-me que ficar mais perto dos 40m será o objectivo. Claro que isso pode levantar um problema. Havendo vários temas a conversar não dá para nos dispersarmos muito e provavelmente implica um trabalho mais incisivo da minha parte a tentar conduzir a conversa. A ver vamos.

Finalmente também me questionei sobre a questão da contextualização da pessoa e dos temas abordados, ou seja, até que ponto alguém que não está bem familiarizado com o que se está a falar consegue tirar algum valor do podcast e não fica perdido numa conversa cheia de referências a coisas que desconhece? Se tiverem alguma opinião sobre isso digam.

Dentro dos próximos dias o programa vai ficar disponivel online no site oportoemconversa.wordpress.com/ em formato mp3 para quem quiser ouvir e também a transcrição do mesmo para quem preferir ler.

(edit: 2009-jan-13) mais umas notas rápidas: não esquecer de levar água da próxima vez; não estar sempre a dizer hmm, hmm e “quer dizer”

por Vitor Silva



6 Comments

  1. PMS wrote:

    O tempo do programa é irrelevante. Relevante é que a duração do MP3 seja mais curta.

    Ou seja, faria sentido dividires o programa em 2/3 partes (nas quais seriam abordados temas diferentes). Pessoalmente, prefiro até 15-20 minutos que é o tempo que eu demoro no trânsito, mas suponho (não tenho ainda grande experiência) que o normal seja entre 20 a 30 minutos.

    Um dos podcasts que ouço é isso que faz: demora 25 minutos, e quando demora mais, divide em 2 podcasts. Antes de cada um dos podcasts faz um pequeno resumo em que identifica os tópicos que são abordados nesse podcast.

  2. José Freitas wrote:

    Olá.

    Já vi o teu podcast. Para início não está nada mal, não senhor… Parabéns.

    Entretanto, penso que deves colocar o link para o áudio mais visível. Podcast de 55 minutos é, na minha opinião, muito. Sugiro “partires” a entrevista em blocos, que podes colocar de uma só vez ou em mais que uma vez. Falta ainda um destaque, isto é, captar duas ou três frases – ideias chave da conversa, os “sound bytes”, para chamar a atenção para a conversa.

  3. Rui wrote:

    A ideia é boa, e estou certo que será para manter e evoluir.
    Concordo que 55 minutos de uma acentada só, é muita coisa, mas já li aqui a sugestão que ia fazer. Sinceramente acho que 30 minutos, com conversa objectiva seria suficiente e talvez mais incisiva.
    Quanto à contextualização dos temas e dos intervenientes, parece-me não só util mas fundamental, precisamente para cativar as pessoas e fazê-las entender melhor os objectivos.

    Vai em frente e vai mandando actualizações.

  4. […] propósito dos comentários que recebi sobre o primeiro podcast O Porto em Conversa e que […]

  5. vitorsilva wrote:

    Obrigado pelos comentários.
    respondo a eles no seguinte post
    http://blog.osmeusapontamentos.com/?p=1203

  6. […] de alguns anos a ouvir podcasts, no inicio de 2009 achei que estava na altura de fazer o meu próprio podcast. Entre o inicio de 2009 e o final de 2010 realizei várias entrevistas, fui convidado para ir fazer […]

Leave a Reply