Elasticidade

relação nº pesquisas vs preço

Em economia o termo elasticidade é usado para caracterizar a relação entre o preço de um bem/serviço e a quantidade de procura desse bem/serviço, mais especificamente de que forma a variação de um parâmetro (preço) afecta o outro (quantidade)

Assim por exemplo um bem com uma grande elasticidade é aquele em que uma grande variação de preço não se traduz numa igualmente grande variação de procura. Um dos exemplos clássicos é o tabaco. Não é por o preço dele aumentar generosamente todos os anos que se vê grandes reduções do consumo.

Outro exemplo é o preço dos combustíveis. E é engraçado lembrar como há meia dúzia de meses estava toda a gente em pânico porque o petróleo ia chegar aos 200usd e nunca mais ia descer e a gasolina ia chegar aos dois euros, etc., etc.

Mas, no caso do combustível, por muito que possa gostar de preços mais baixos, a verdade é que isto pode ser um grande entrave ao aparecimento de alternativas de mobilidade, seja através de novos produtos/serviços fornecidos por privados (novos carros) ou públicos (novos transportes públicos), seja através do comportamento das pessoas.

Se usarmos como indicador de stress o número de pesquisas pelo termo “preço gasolina” ou “gasolina” e o compararmos com o preço efectivo da gasolina podemos especular, numa análise muito pouco científica mas (acho eu) mesmo assim indicativa que as pessoas só começaram efectivamente a considerar que o preço da gasolina estava efectivamente elevado quando ele começou a entrar na casa dos 1,4€/l e passou os 1.5€/l.

Curiosamente, no período de Junho a Julho em que foi atingido o valor mais elevado (1,638€/l) o número de pesquisas reduziu bastante, o que, continuando com a especulação pode ser explicado a partir de 3 pontos de vista:

  • inicio do período de férias e consequente menor utilização da internet;
  • acomodação ao preço, ou seja quem tinha que procurar alternativas já as tinha tomado e assim não precisava de mais informação
  • reduzida variação de preço (nas seis semanas entre 1-jun e 13-jul +0,031€ contra 0,089€ nas seis semanas anteriores eventualmente traduzida em menor exposição mediática desse facto

Uma nota extra só para dizer que, embora se possa especular que por alturas de Maio é que este tema explodiu socialmente, a verdade é que o consumo de gasolina já tinha uma tendência decrescente mais prolongada.

relação preço vs consumo

De qualquer forma a minha proposta era muito simples e nada popular. Aumentar o imposto sobre a gasolina de forma a manter o custo/litro no minimo a 1,5€ e usar o diferencial assim obtido para financiar os nossos transportes públicos e/ou projectos de desenvolvimento de meios de transporte eficientes.

Embora actualmente, a ver pelos milhões que são todos os dias anúnciados, o dinheiro parece que passou a crescer na árvore das patacas e por isso não custa a arranjar, esta minha proposta fica para quando tivermos mesmo que voltar a pedir dinheiro às pessoas para investir naquele conceito estranho que é o bem comum.


Os valores usados para os gráficos foram retirados do Google Trends, Maiscombustivel.com e Direcção Gerak de Energia e Geologia.

O ficheiro que usei como rascunho para fazer os gráficos está aqui.

por Vitor Silva



One Comment

  1. Jorge wrote:

    Muito interessante.

Leave a Reply