Músicos do Nilo

História

Muito antes da vaga da Música do Mundo, os Músicos do Nilo foram o primeiro grupo da chamada música árabe a atingir grande popularidade.

Descobertos em 1975 por Alain Weber, que desde essa altura é o seu director artistico, os Músicos do Nilo (também conhecidos por The Musicians of the Nile ou Les Musiciens du Nil) foram catapultados para o sucesso internacional depois da sua performance no primeiro festival WOMAD – (World of Music Arts and Dance) em 1983, altura em que assinaram pela etiqueta de Peter Gabriel – Realworld-Caroline e foram artistas convidados do seu disco Passion.

Formados na cidade egipcia de Abu-Al-Djud (agora Luxor), os Músicos do Nilo refletem a tradição musical das familias ciganas egipcias.

Apesar do seu percurso impressionante, os Músicos do Nilo conservam a sua autenticidade e naturalidade, sendo o testemunho vivo de uma música popular que junta ao mesmo tempo antiguidade e modernidade.

Subdivididos em dois agrupamentos, os Músicos do Nilo apresentam não só a arte e o canto incisivo da velha “rababa” mas também o “mizmar”, o oboé do Alto-Egipto. Os conjuntos de mizmar são compostos por 3 mizmars e uma tabla, o grande tambor de dupla membrana. Se bem que este tipo de formação seja corrente no Oriente, no Alto-Egipto, ela é uma raridade musical.

As estridências do mizmar de Qenawi Bakhit Qenawi e de Ramadan Atta evocam-nos as subtilezas da música indiana e a virulência ritmica das musicas do Oriente, que nos conduzem para um verdadeiro transe profano à descoberta de sonoridades esquecidas e aumentadas de verdadeiros frissons acusticos.

Discografia

Ligações externas

por Vitor Silva



Leave a Reply