centi(metro)

ontem cumpri o meu dever de portuense, fui dar uma voltinha no metro para ver o novo troço trindade-estadio do dragom e acho que percebi a razão dos assobios ao zé manel no dia anterior. É que ainda estava tudo nos últimos arranjos.
estaçãs a cheirar a pó que doía, sinalética ainda por colocar, passeios por arranjar, uma ou outra escada rolante por funcionar… costuma-se dizer que quem quer se respeitado dá-se ao respeito… pois não é com estas iniciativas de inaugurações fora de tempo que se ganha o respeito das pessoas… e tu rio, sempre tão certinho e alinhaste nesta inauguração da treta?
continuando…
alguma sinalética pareceu-me um pouco insuficiente… as indicações da saída num verde esbatido sob parede cinzenta clara ou azulejo mais ou menos do mesmo tom não me convencem mas temos também um momento de humor na estação da trindade (ligeiramente arrumada) com um placard onde devia dizer cais um mas alguém pos o “a” ao contrario e lê-se ceis um. será uma referência subliminar a algum jogo de futebol memorável?
a estaçao do campo 24 de agosto é uma desilusão… espero que não seja só aquilo, isto é, 3 vitrines mal amanhadas sem iluminação com umas peças de cerâmica e uma arca de água interessante sim mas que parece que tanto podia estar ali como noutro sitio qualquer.
a estação do dragão é interessante com muita luz e uma espécie de anfiteatro curioso. realmente, para quem puder, vai valer a pena passar a ir aos jogos de metro.
claro que não dá para comparar as estações do (centi)metro do porto com as do metro de lisboa. pelos vistos cá para cima apostou-se num minimalismo (que até acho que resulta) agradável (ou então não havia dinh€iro) enquanto que na capital temos na maior parte das vezes uma componente artistica muito vincada.

por Vitor Silva



Comments are closed.